Atuações regionais

O Cebrae passa a atuar com ênfase em diagnósticos integrados e cria programas de desenvolvimento regional, investindo em pesquisa para elaboração de diagnósticos setoriais que fundamentem o trabalho dos estados.

Cebrae no mundo

O Cebrae começa a atuar em âmbito internacional. São realizadas parcerias com diversas entidades estrangeiras importantes, como a Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (Unido); a Associação Latino-Americana de Instituições Financeiras de Desenvolvimento (Alide); a Agência de Promoção Internacional de Pequenas e Médias Empresas (API-PME), na França; a Exportação e Investimento (Icex), na Espanha; e o Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação (Iapmei), em Portugal.

Cebrae no campo

Consolidando a sua atuação no meio rural, o Cebrae lança o Programa de Geração de Emprego e Renda para Pequenas Agroindústrias do Brasil (Progerar) com o objetivo de estimular a criação de pequenas agroindústrias, mediante a transferência de tecnologia e o incentivo às formas de associativismo e cooperativismo. O programa movimentou comunidades rurais no interior do país.

Patme

Por meio de convênios assinados com a Finep e o CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), o Cebrae dá início ao Programa de Apoio Tecnológico às Micro e Pequenas Empresas (Patme), que articulou um grande número de centros tecnológicos, permitindo o acesso direto a essas instituições por micro e pequenas empresas. Representou um grande esforço do Sistema Cebrae no sentido de mobilizar seus profissionais para áreas de atuação envolvendo um forte conteúdo tecnológico. Em sua primeira fase, de 1982 a 1989, o Patme prestou consultoria a cerca de 4 mil empresas.